PCPR mira integrantes de associação criminosa ligados a empresas falsas

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) cumpriu sete mandados de busca e apreensão contra integrantes de associação criminosa ligados a empresas falsas. Na ação, a PCPR apreendeu notebooks, celulares, computador e HDs. 

A ação ocorreu simultaneamente em Curitiba, São José dos Pinhais, Paranaguá e Antonina. Dentre os alvos estão sócios das empresas investigadas e contadores responsáveis pela contabilidade das instituições. 

De acordo com as investigações, as empresas, uma de reciclagem e duas de grãos, estariam utilizando pessoas interpostas para ocultar o quadro societário e, com isso, dissimular informações. Os indivíduos são responsáveis por creditação indevida de ICMS a serem compensados em outros estados.

O delegado da PCPR Leandro Farnese comenta que a principal importância da operação é evitar o prejuízo da evasão fiscal ao Estado. “A fraude gera uma vantagem indevida para as pessoas que irão fazer algum tipo de transação que exigiria o pagamento de ICMS em outro estado, pois é uma situação de isenção fiscal entre os estados, o tributo da nota que não é verdadeira traz um benefício indevido aos autores e prejuízo direto aos estados”, explica o delegado. 

Dados repassados pela Receita Estadual do Paraná durante as diligências, apontam que as empresas investigadas foram constituídas com capital social variante entre R$ 100 mil R$ 150 mil, mas possuíam quadro societário que não condizia com a realidade, já que os suspeitos ainda eram beneficiários de programas sociais do Governo Federal, como o Auxílio Emergencial e o Bolsa Família.

“A atuação do Fisco foi fundamental para identificar a fraude que estava acontecendo na emissão das notas frias. Estamos trabalhando em malhas fiscais, ou seja, no cruzamento de dados que comprovem divergências em situações específicas quanto à prestação de contas e recolhimento de tributos para identificar e combater com maior celeridade e eficácia essas empresas fraudulentas”, esclareceu o diretor da Receita Estadual, Roberto Tizon.

Os investigados ainda tinham poucas notas fiscais de entrada de produtos, e emitiam notas fiscais com valores incompatíveis com o capital social pelo qual as empresas foram constituídas, alcançando a marca vultosa de 10 a 195 vezes mais notas de entrada e capital social.

A PCPR também apurou que as empresas investigadas não possuíam veículos registrados em seus patrimônios ou trabalhadores cadastrados junto ao Ministério do Trabalho e Emprego. As instituições tinham como objetivo a emissão de notas para benefícios fiscais.

Cerca de 25 policiais participam da ação que também conta com o apoio de peritos criminais. A PCPR segue investigando o caso.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s